Tudo começou exatamente no dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecido em NY, tomaram a iniciativa de lutar por melhores condições, e para chamar atenção fizeram uma greve. A greve resultou em repressão, gerando assim muita violência. Soldados e autoridades prenderam as operárias dentro da fabrica e a incendiaram, mais de 100 tecelãs morreram carbonizadas. A partir disso decretaram que dia 8 de março passaria a ser o Dia Internacional da Mulher em homenagem as mulheres que morreram lutando por igualdade em 1857.



Passaram-se as décadas e o movimento feminista foi crescendo. Mulheres que buscavam igualdade, trabalho digno, buscavam por seus direitos.

E na Segunda Guerra Mundial não foi diferente, houve uma campanha feminista,com um cartaz muito famoso We can do it!. Não passava de uma estratégia do governo americano para atrair mulheres para preencher o buraco das usinas e fábricas de todo o país que precisavam de mão-de-obra,pois os homens tinham partido para a guerra.Até então, nesse universo era vetado a participação das mulheres por ser trabalhos mais rígidos, pois mulheres tinham como dever cuidar de sua família e ser apenas dona de casa, ou se seu marido permitisse, era limitada apenas a professora ou secretária.
 
 

O cartaz We can do it! famoso por ter uma mulher mostrando seus músculos sem perder a feminilidade, que era nada mais do que uma representação, passou a se chamar  "Rosie, the riveter" (Rosie, a rebitadeira). A ilustração foi feita por J.Howard Miller.

Fotos:Reprodução.

A personagem foi inspirada em uma moça de 19 anos ,Geraldine Doyle (1924-2010) ,era uma operária que trabalhava em uma fábrica de Michigan.

Após o término da guerra, algumas mulheres voltaram a ser dona de casa(como previsto) e cuidar de seus maridos cansados, porém algumas se recusaram e decidiram quebrar tabus e buscar seu lugar no mercado de trabalho. Por isso hoje, o lugar da mulher já foi conquistado graças a revolta feminista.

0 comentários :

Postar um comentário